FÉRIAS

Amigos Parkinsonianos, cuidadores e familiares, este foi um ano de alegrias, tristezas, realizações, muita troca de experiências e informações sobre a DP, mas, o mais importante é refletir sobre os acontecimentos, a jornada do dia-a-dia, a aceitação das nossas limitações e, concluir ao final, que tivemos um saldo de crescimento e aprendizado.
Ao término deste ano, onde os sentimentos de fé e esperança renovam-se, rogamos a Deus que abençoe a todos, que ilumine nosso caminho, afastando de todos nós o pensamento de desesperança e de descrédito em nosso semelhante. Tenhamos força e tranqüilidade para enfrentarmos as tormentas que hão de vir e que os sentimentos de coragem, superação e justiça possam estar presentes em nossos novos dias.
Que os sonhos, hoje apenas sonhos, num breve futuro se transformem em realidade.
Sou grato a vocês pela confiança e dedicação a mim dispensada.
Aproveito a oportunidade para comunicar-lhes que estarei ausente do blog no período de 22/12/2007 a 02/01/2008, afinal ninguém é de ferro e minha mente e o meu corpo precisam destas “férias”.


MENSAGEM DE NATAL E ANO NOVO

NATAL É:
- Um momento doce e cheio de significado para as nossas vidas.
- Tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca.
- Momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações.
- Sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui.
- Noite cristã, onde a alegria invade nossos corações trazendo a paz e a harmonia.
- Um dia festivo e espero que o seu olhar possa estar voltado para uma festa maior, a festa do nascimento de Cristo dentro de seu coração.
Que neste Natal você e sua família sintam mais forte ainda o significado da palavra amor, que traga raios de luz que iluminem o seu caminho e transformem o seu coração a cada dia, fazendo que você viva sempre com muita felicidade. Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz. Teremos outras 365 novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes.
Que queremos viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último.
Que queremos renovação e buscaremos os grandes milagres da vida a cada instante.
Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo. Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos!
FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO PARA TODOS!




Representantes da comunidade científica vão ao STF tratar da Lei de Biossegurança



Representantes da comunidade científica brasileira estiveram no dia 13/12 com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Ellen Gracie. Eles vieram conversar sobre a Lei 11.105/05, conhecida como Lei de Biossegurança, que permite pesquisas com células-tronco embrionárias.
Ao final do encontro, a professora Mayana Zatz falou com os jornalistas. Ela disse que a comunidade científica veio pedir a máxima urgência da Corte na análise da questão e mostrar para os ministros do Supremo a importância das pesquisas. A cientista registrou, ainda, ter informado à ministra Ellen Gracie que não procedem as notícias de que não vão mais ser necessárias as pesquisas com células embrionárias. Ela ressaltou que os próprios pesquisadores que publicaram esses trabalhos foram enfáticos em dizer que continuam precisando das pesquisas com células-tronco embrionárias. "Essas descobertas novas só foram possíveis por causa das pesquisas com células-tronco embrionárias. É o futuro dos transplantes de órgãos, é o futuro da regeneração dos tecidos", concluiu Mayana Zatz, confirmando que o relator da ADI 3510, ministro Carlos Ayres Britto, teria prometido levar o tema para julgamento já em fevereiro de 2008.


A cientista também comunicou que apesar da Lei 11.105/05 estar valendo, permitindo a continuidade das pesquisas, os comitês de ética das instituições de pesquisa não têm aprovado os estudos, porque estão esperando a decisão do Supremo. "Por isso, as pesquisas estão paradas”, frisou Mayana.




Fonte: Jornal "O GLOBO", Revista Consultor Juridico e informes do STF.


Ministro do STF promete votar pesquisa com células-tronco em fevereiro/2008
O Supremo Tribunal Federal deve julgar em fevereiro/2008 a ADI 3510, ação que questiona a constitucionalidade das pesquisas com células-tronco embrionárias. A previsão é do relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade, ministro Carlos Ayres Britto, que garantiu trabalhar nas férias para concluir o voto e entregar à presidente logo no retorno do recesso, para inclusão na pauta de julgamentos em fevereiro de 2008.
O Ministro e a presidente do Supremo, ministra Ellen Gracie, se reuniram quinta-feira (13/12) com um grupo de cientistas para tratar do assunto. Faziam parte do grupo o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Marco Antonio Raupp, a vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências, Helena Bonciane Nader, o presidente da Sociedade de Biologia Experimental, Luiz Eugênio Mello, o presidente da Sociedade Brasileira de Biofísica, Marcelo Moraes, e a professora de genética da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano, Mayana Zatz.

Fonte: Supremo Tribunal Federal - Secretaria de Tecnologia da Informação



O senhor é pioneiro na luta a favor das pesquisas com células-tronco no Brasil. Quando e por que o senhor decidiu encampar essa batalha?
Entrei nesta luta depois do acidente do meu filho, quando me dei conta da necessidade de buscar opções de tratamento.


Como vê a mistura entre e religião e ciência em relação ao tema? É justo privar o ser humano de cura por causa de dogmas?
Vejo que há uma boa intenção na religião católica ao buscar preservar a vida dos embriões, que a Igreja entende terem alma, dentro de sua ótica. Isso evita que o assunto se transforme, passando do cunho científico para o comercial. Porém, percebo uma distorção e um aproveitamento do tema por aqueles fanáticos que não compreendem que a lei só permite que se use os embriões que serão descartados pelas clínicas de esterilização.


Herbert Vianna chegou a receber algum tipo de transplante de células-tronco depois do acidente?
Não, ainda não nos sentimos seguros para nos aventurar em promessas que, a nosso ver, são experimentais e apresentam risco de agravar o atual quadro do paciente.

Mas como ele encara esse assunto?
O Herbert tem grandes esperanças e aprova o uso das células-tronco embrionárias nas pesquisas.

O Supremo Trinunal Federal (STF) pretende julgar a inconstitucionalidade da Lei de Biossegurança. Caso esse recurso seja aprovado, o que isso representará para a ciência?
Certamente, os juízes do STF, na sua sabedoria, entenderão que o cumprimeinto da lei trará benefícios à sociedade e que o aproveitamento dos embriões significa dar uma destinação mais nobre do que o lixo.

Como analisa atitudes como a do presidente George W. Bush, ao vetar qualquer lei sobre pesquisa com células-tronco embrionárias?
O presidente Bush não veta as pesquisas. Apenas entende que não se deverá, nos Estados Unidos, aplicar recursos públicos nesses estudos. Discordo dele pelo que já disse acima. Mas também porque os Estados Unidos talvez sejam o país que mais deve à sociedade, ao enviar milhões de jovens à guerra e receber, de volta, milhares de mutilados.

Que mensagem o senhor deixaria aos pais de acidentados e de pessoas com doenças neurodegenerativas ou outras patologias passíveis de serem tratadas com células-tronco?
Lutem contra a discriminação. Lutem contra os que não aceitam as pesquisas e tenham esperança sempre.

Direito à vida - Sim às pesquisas com células-tronco embrionárias

Apesar de respeitarmos a posição de quem pensa o contrário, não há qualquer justificativa lógica para alterar nossa convicção de que a pesquisa com células-tronco embrionárias deve ser autorizada pelo Poder Legislativo. Há de se convir que, caso não sejam utilizadas para pesquisas, as células-tronco embrionárias serão descartadas como lixo biológico, levando com elas a esperança de cura de milhões de pessoas em todo mundo, que lutam desesperadamente para vencer diversas doenças letais.
Pesquisas científicas têm sido feitas em células-tronco adultas, extraídas da medula óssea, cordão umbilical ou de outros tecidos. Contudo, por não terem essas células capacidade de curar a doença que deu causa à lesão, as pesquisas com células-tronco embrionárias apresentam-se com expectativa de solução de doenças degenerativas, tendo em vista sua imensa potencialidade terapêutica.
Somente a continuidade dos estudos das células-tronco embrionárias, colhidas na fase de blastocisto (descartados para implantação no útero), sela a esperança de cura de doenças como Parkinson, Alzheimer, lesões da medula espinhal, AVCs -- acidentes vasculares cerebrais -- dentre outras. Isso porque essas células são as únicas capazes de se diferenciar em todos os tecidos humanos, de acordo com pesquisas desenvolvidas até o momento.
Os embriões cultivados “in vitro”, em clínicas de fertilização, são meros agrupamentos de células que, se não implantados no útero da mulher, nada mais serão do que refugo biológico destinado ao lixo. Esses embriões, menores do que a ponta de uma agulha, não se transformarão em seres humanos em auto-multiplicação extra-corpórea. Não têm eles qualquer expectativa de desenvolvimento autônomo, qualquer atividade sensorial ou cerebrina, e não possuem órgãos, coração, fígado, pâncreas. Constituem um punhado de células informes. Embriões descartados para implantação no útero, por má-qualidade, má-formação ou qualquer outro motivo, não gerarão vida alguma. Serão irremediavelmente destruídos. Para esse simples material biológico não há qualquer proteção jurídica, constitucional ou civil.
Ora, não é justo e sensato para os que têm vida, e estão adoentados ou incapacitados, que lhes seja ceifada a esperança de cura, a partir do desenvolvimento científico das pesquisas genéticas. Este direito à vida tem proteção constitucional (art. 5º “caput”, CF). A vida real ficará marginalizada pela inexistente potencialidade de vida dos blastocistos não implantados no ventre materno.
Considerar o blastocisto um ser vivo que não deve ser violado é uma questão que deve ser avaliada sob o prisma dogmático. Até ai tudo bem. Que se respeitem convicções religiosas e morais para o não uso de técnicas desenvolvidas pela ciência. Contudo, impedir que outros, de ideários diferentes, sejam obrigados a conviver com doenças, cuja cura conta com efetivas potencialidades, levando-se em consideração os avanços científicos, é ferir os princípios democráticos da harmônica convivência social. Ressalto, por fim, que esta opinião envolve a premissa da responsabilidade dos profissionais quanto ao uso e a não utilização comercial desses embriões.
Sobre o autor:
Márcia Regina Machado Melaré: é vice-presidente da OAB-SP, integrante da Advocacia Approbato Machado e conferencista.

PESQUISAS COM CÉLULAS TRONCO-EMBRIONÁRIAS E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Promulgada em 1988, nossa Constituição Federal representa Lei Maior, conferindo a todos nós, de modo igual, direitos e garantias fundamentais, tais como: o direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, segundo disposto no caput, do artigo 5° .
PRINCÍPIO DE PROTEÇÃO À VIDA
O artigo 5° de nossa Magna Carta consagra o direito à vida, sendo, portanto, o mais importante de todos os direitos e garantias fundamentais, posto que, para a existência dos demais direitos e garantias, faz-se necessário como pré-requisito este direito.
Ao Estado caberá assegurar, a todos, o duplo sentido de vida: o primeiro diz respeito ao direito do individuo viver dignamente, e o segundo, à continuar vivo.
A cláusula constitucional não se limita à proteção somente daqueles que já nasceram, pois se assim fosse, afastada estaria a punição do crime de aborto. A vida deve ser protegida como um todo, ou seja, desde o seu início.
É o Código Civil, portanto, que determina o momento em que o ser humano adquire personalidade e capacidade jurídica: o momento do nascimento e, ressalte-se, nascimento com vida, mesmo que essa vida venha a se esvair momentos após.
Antes do nascimento com vida, o ser gerado não possui personalidade civil, mas, como nascituro (gerado, mas ainda não nascido), todos os seus direitos, desde a concepção, são resguardados pela lei, principalmente o direito à vida.
Além do art. 5º, diversos outros dispositivos a Constituição de 1988 asseguram o direito à vida, tais como artigos: 196, 227, 230, entre outros.
PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA
O princípio da dignidade da pessoa humana, presente em nossa Magna Carta no artigo 1º, inciso III, exerce alcance, sobretudo nos chamados direitos e garantias fundamentais, os quais, por sua vez, não incidem diretamente sobre a pessoa humana em seu aspecto físico, mas ainda no desdobramento de sua personalidade. Ainda, no artigo 6º vamos encontrar desdobramentos do princípio da dignidade, pois ninguém tem existência digna sem educação, saúde, moradia, proteção à maternidade e à infância, dentre outros. Por fim, a família guarda estreita relação com a dignidade da pessoa humana, isso expressamente declarado no parágrafo 7º do artigo 226.
O princípio jurídico da dignidade exige como pressuposto a intangibilidade da vida humana. Sem vida, não há pessoa, e sem pessoa, não há dignidade. O preceito da intangibilidade da vida humana, não admite exceção, é absoluto e está, de resto, confirmado pelo caput do art. 5º da Constituição da República, um exemplo disto é a proibição da eutanásia. O próprio suicídio fere o princípio da intangibilidade da vida humana.
A Constituição Federal, logo em seu primeiro artigo, inciso III, reza que a Republica Federativa do Brasil constitui-se em Estado Democrático de Direito e que tem como fundamento à dignidade da pessoa humana. Dignidade da pessoa humana é o valor constitucional supremo que agrega em torno de si a unanimidade dos demais direitos e garantias fundamentais do homem, expressos em nossa Magna Carta, tais como, o direito a vida, a liberdade, a igualdade, a segurança, entre outros, direitos que são conferidos a todos de modo igual, segundo consta no “caput” do artigo 5°.
A Constituição de 1988, pela primeira vez na historia brasileira, elevou a saúde à condição de direito fundamental, pois em seu artigo 196 diz que a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
Adiante, fez constar em seu artigo 208, que o Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa e a capacitação tecnológica.
PESQUISAS COM CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS
O texto constitucional protege todas as formas de vida, inclusive a uterina.
Ocorre que células-tronco clonadas terapeuticamente são criadas “in vitro”, ou seja, cultivadas em laboratório, não são introduzidas em um útero humano, o que diferencia a clonagem terapêutica de uma clonagem reprodutiva. Os argumentos de pessoas que se opõem à clonagem terapêutica são que esta abrirá caminho para a clonagem reprodutiva e que isso geraria um comércio de óvulos e embriões. Neste caso, é essencial lembrar que, para que isto ocorra existe um obstáculo insuperável, ou seja, a necessidade de um útero. Para isto, bastaria proibir a transferência destes embriões, criados através de clonagem terapêutica, para um útero. Para a Igreja Católica e uma parcela dos evangélicos, a vida está num embrião congelado, ainda que este nunca conheça um útero.
Errado seria a proibição de tais pesquisas, pois deixaria de se descobrir a cura para inúmeras doenças degenerativas e principalmente, deixaria de se salvar vidas. O correto seria a utilização da clonagem terapêutica, com o objetivo de clonar células-tronco para este fim específico, onde as células são multiplicadas em laboratório com a finalidade de formarem novos tecidos e desta forma sim, salvar inúmeras vidas.
Cabe ainda ressaltar que, em março de 2005, foi aprovada a Lei de Biossegurança, a Lei nº. 11.105, de 24.03.2005 que regulamenta o uso de embriões congelados para pesquisas com células-tronco. Esse projeto veio regulamentar os incisos II e V do § 1º do artigo 225 da Constituição Federal de 1988, fixando regras para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meio ambiente de organismos geneticamente modificados.
O texto da Lei permite que os cientistas brasileiros possam usar em suas pesquisas células-tronco de embriões humanos, desde que congelados até o dia da publicação da lei e devem ter, no mínimo, 3(três) anos de estocagem. Todavia, a Lei de Biossegurança veda a clonagem humana e a produção de embriões para a retirada de células-tronco, com o objetivo terapêutico, sendo só permitido o uso de embriões que seriam, necessariamente, descartados por clínicas de fertilização.
Por fim, conclui-se que, a vida é o bem jurídico mais importante a ser tutelado. E ainda que, o uso de células-tronco embrionárias é uma técnica e não um pecado.
Referências bibliográficas:
BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 1/92 a 35/2001 e pelas Emenda. Brasília : Senado Federal, Subsecretaria De Edições Técnica, 2002;
Luciana Laura Tereza Oliveira Catana-Bacharel em Direito pelas Faculdades Integradas “Antônio Eufrásio de Toledo” de Presidente Prudente/SP e Vinicius Roberto Prioli de Souza, CÉLULAS TRONCO E O DIREITO BRASILEIRO.


"Esta campanha é atualíssima e de grande interesse para a sociedade brasileira", Toninho Drummond, diretor da Rede Globo.


O ator e trapezista Marcos Frota dono do MARCOS FROTA CIRCO SHOW, adere a mais um tema social que é a campanha CÉLULAS-TRONCO ESPERANÇA


"QUE A NOSSA ESPERANÇA NÃO SEJA PERDIDA PELA BUROCRACIA DAQUELES QUE NÃO SE SENSIBILIZARAM COM A NOSSA CAUSA" Herbert Vianna


DIFERENÇAS EXISTENTES ENTRE CÉLULAS-TRONCO ADULTAS E EMBRIONÁRIAS


Existem dois tipos de células-tronco: as adultas e as embrionárias.


As células-tronco adultas são encontradas em diversos locais do corpo, como medula óssea, sangue e fígado. As células do cordão umbilical também são adultas. Sua vantagem é não serem rejeitadas pelo corpo do paciente, uma vez que vieram dele. A desvantagem é que têm potencial limitado.


A célula-tronco embrionária - o óvulo fertilizado - é a única célula capaz de gerar todos os tipos celulares existentes em um organismo. Ela logo começa a se dividir: em duas; essas duas em quatro; as quatro em oito e assim por diante. Pelo menos até a fase de oito células, cada uma delas é capaz de se desenvolver em um ser humano completo. São chamadas, por isso, de totipotentes. Passadas 72 horas desde a fecundação, o embrião - agora já com cerca de 100 células, é chamado de blastocisto. Nessa fase as células do embrião se diferenciam em dois grupos: um grupo de células externas, que originam as estruturas extraembrionárias associadas com a implantação do embrião e com a formação da placenta, e uma massa de células interna, que vai formar o embrião propriamente dito. É nessa fase que ocorre a implantação do embrião na cavidade uterina ou então ele é congelado. É dele que se obtém a célula-tronco embrionária. O problema é que causa a destruição do embrião que a forneceu. Outro problema a ser resolvido pelos cientistas é a que podem ser rejeitadas pelo organismo do paciente durante uma suposta terapia. A vantagem, além de seu incrível potencial, é que podem proliferar indefinidamente in vitro sem se diferenciar, mas também podem se diferenciar se forem modificadas as condições de cultivo. A disponibilidade de células-tranco embrionárias humanas abriu horizontes impensáveis para a medicina, mas também trouxe complexos problemas ético-religiosos.


As 63 academias de ciência do mundo que se posicionaram contra a clonagem reprodutiva defendem as pesquisas com células embrionárias para fins terapêuticos.


(Fonte: Centro de Estudos do Genoma Humano da USP - http://genoma.ib.usp.br/)



CÉLULAS TRONCO-EMBRIONÁRIAS (CTE)


Nas clínicas de fertilização "in-vitro", são criados embriões, além da quantidade necessária, diariamente. Alguns são utilizados até que a gravidez ocorra. Os que "sobram" são mantidos congelados durante 3 anos, depois serão descartados, como manda a lei.

Já que estes embriões congelados não serão utilizados, por que não utilizá-los para um benefício à sociedade? Por que não fazer pesquisas com os mesmos? Afinal, quantos embriões existem congelados por aí, esquecidos, até serem finalmente destruídos depois de um período de 3 anos?

Para alguns médicos, esses embriões humanos já têm vida, enquanto que para outros são apenas um aglomerado de células. É um absurdo comparar embriões com pessoas já vivas. Qualquer um de nós quebra um ovo de galinha e come com tranqüilidade, mas poucos são capazes de torcer o pescoço de uma galinha e matá-la. Querer igualar um embrião a uma pessoa é uma coisa sem nexo.
Aí vem o cerne da questão. Um embrião descartável, que poderia ser usado para salvar vidas, será jogado fora. Mas se é “vida”, há que ser preservado para sempre, congelado em nitrogênio até o dia do juízo final. Mas que vida é essa, sem consciência, sem expressão?
Então, troca-se aqui o certo pelo incerto: a cura de vários males por uma futura, mas improvável promessa de vida, ou seja, prejudicam-se aqueles que irão morrer em decorrência da não utilização dos embriões, que, não sendo implantados num útero, nunca serão vida, ao passo que o doente lá no leito hospitalar é vida.
Afinal o que é mais importante: Manter vivo um ser que está na fase inicial de sua vida, que por enquanto é apenas formado por algumas células, ou salvar a vida de uma criança que possui um câncer, por exemplo, e está prestes a morrer?
As pessoas que se posicionaram contra a pesquisa em células tronco, estão alegando que os embriões usados são vidas, que estão sendo mortos injustamente. Que são vidas eu concordo, mas são vidas que em três anos seriam descartadas. E quanto a opiniões que dizem que essas pesquisas são assassinatos em massa, que os cientistas estão matando vidas inocentes, pensem na comida que vocês comem todos os dias. Será que o animal morto no seu prato merecia morrer?
É ignorância essas células não serem utilizados em pesquisas que poderão ajudar tanta gente. Só gostaria de saber como seria a opinião desses ignorantes que são contra as pesquisas, se tivessem um filho com qualquer doença que se beneficiaria com as células tronco? Será que essa opinião contra não passaria a ser a favor? É aquela velha história: "Pimenta nos olhos dos outros é refresco”.
E quanto à visão religiosa sobre as pesquisas? Que bem têm trazido à sociedade aqueles que se contrapõem à ciência, movidos por dogmas, preconceitos, ideologias ou fanatismos? Não se pode levar em consideração a visão de uma igreja que diz: "não ao uso do preservativo. Só se pode copular com fins reprodutivos”, como se o mundo carecesse de mais habitantes. E danem-se as vítimas da AIDS, da terrível hepatite C, e de todas as outras doenças sexualmente transmissíveis? Que valor dão à vida?
Então, que sejam ao menos honestos, minimamente coerentes e digam aos milhares de doentes dependentes da terapêutica com células-tronco: “Vocês não são mais importantes que nossos dogmas”.
Cada qual tem sua religião e suas convicções, que devem ser respeitadas. Apenas seria razoável que cada pessoa refletisse a respeito, tendo em mente que esta tecnologia poderá salvar a sua própria vida no futuro, pois nenhum de nós está livre de contrair uma doença grave.
É essa a situação de muitos brasileiros, que possuem doenças incuráveis e dependem das pesquisas genéticas com células-tronco. Por isso acredito que a sociedade deve se unir e ser solidária a essas pessoas. Acho também que os mais conservadores devem esquecer dos dogmas, de suas ideologias e começarem a pensar no avanço e no desenvolvimento, em prol de um gesto tão importante: o de salvar vidas. Para mim, não é desumano utilizar células embrionárias para a cura de doenças. Desumano é ignorar a situação lastimável dos portadores de câncer, de diabetes ou das milhares de pessoas que possuem algum tipo de deficiência física.
Tenho esperanças de que dentro de muito pouco tempo esta será uma prática rotineira para salvar muitas vidas.


O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) DECIDIRÁ O DESTINO DAS PESQUISAS COM CTE (células-tronco embrionárias).

O destino das pesquisas com células-tronco de embriões humanos está para ser decidido pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Nelas residem a esperança de tratamento e cura para lesões medulares, doenças genéticas e neurológicas graves.
As pesquisas foram autorizadas pela Lei de Biossegurança (Lei 11.105), aprovada no Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República em março de 2005, apenas com células-tronco de embriões inviáveis congelados há três anos ou mais e com autorização expressa dos seus genitores.
Agora, a mais alta corte do País julgará se tal permissão é constitucional. Ela foi questionada na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3510, proposta pela Procuradoria Geral da República (PGR) em junho de 2005, afirmando que o uso destes embriões fere o direito constitucional à vida e à dignidade humana já que o embrião é vida humana.
MINHA OPINIÃO
A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3510, parte de uma falsa premissa ao deslocar o debate para a questão da fecundação, tema bastante controverso. A ADI impede que se avalie com razoabilidade a ética da pesquisa com embriões inviáveis e congelados. É essa a questão. Não o debate moral sobre reprodução humana. Se é dever do Estado proteger o potencial de vida de um embrião congelado não deveria então ser obrigado a garantir um útero para ele?
Pergunto: sejam os embriões previamente inviáveis, ou sejam congelados por anos e posteriormente descartados pelos genitores... para onde vão? Alguém ou alguma instituição religiosa se dispõe a adotá-los, ou dispõe de equipamentos para preservá-los, mesmo contra a vontade parental?
Obviamente que não.O caminho que estes embriões inviáveis ou descartados têm hoje, fatalmente, é um só: a lata do lixo. Usar esses embriões não significa interromper uma vida. Estamos falando de células que serão jogadas fora.
Seria até desumano negar a esperança de uma vida melhor aos que sofrem. Seria até desumano impor um tipo de dogma de religiosidade a pessoas que pedem a Deus, todos os dias, pela sua recuperação.
A questão poderia ser assim resumida: de um lado estão essas células amorfas, cujo destino fatalmente será a lata de lixo, sem que esse descarte gere qualquer tipo de questionamento ético, moral ou religioso. Do outro lado estão milhões de pessoas que têm auto-determinação, sistema nervoso, distinção entre si, individualidade e complexidade... indivíduos que passaram pela magnífica formação sob a batuta divina. Indivíduos que têm uma alma, e que esperam que o seu direito de alcançar ou recuperar uma vida melhor seja reconhecido como superior a questões meramente religiosas, formuladas mediante sistemas de raciocínio que – mesmo nobres e originados de pessoas íntegras e competentes – passam ao largo dos laboratórios, do cotidiano e do sofrimento daqueles que, efetivamente vivos, lutam pela superação de seus destinos biológicos ou acidentais.
A escolha a ser feita pelos magistrados se dará entre duas idéias nitidamente identificadas: lixo ou esperança. Manter a situação atual, de mero descarte do material biológico; ou permitir e regulamentar a sua utilização, para a busca de um mundo melhor.
Acredito que eles escolherão a esperança.

CULPAS E DESCULPAS
Você já refletiu sobre o que representa a culpa em nossas vidas?
Não há dúvida de que o sentimento de culpa é um dos grandes responsáveis por nossa infelicidade.
Quando fazemos algo que nos causa um desconforto íntimo pertinaz, é bem provável que seja a culpa se instalando.
Mas o que fazer para que esse sentimento não se aloje em nossa intimidade e nos traga fortes dissabores?
Parece lógico que a melhor atitude é a que elimina, em definitivo, esse desconforto de nossa alma.
E que atitude poderia ser mais eficaz do que um sincero pedido de desculpas?
Todavia, pedir desculpas significa admitir que nos equivocamos, e isso mexe diretamente com nosso orgulho.
O que geralmente fazemos, então?
Ficamos remoendo o desconforto e buscamos alguém a quem culpar pela atitude que nossa consciência desaprova.
Não seria mais coerente pedir perdão?
Logicamente seria, mas o orgulho muitas vezes nos impede.
O que fazemos, então?
Preferimos nos punir de outra maneira. E geralmente optamos pelas enfermidades...
A consciência nos acusa, mas em vez de resolver a questão com a humildade de um aprendiz, preferimos a autopunição velada.
Em vez de pedir perdão, optamos pelo sofrimento. Em vez de aliviar a alma admitindo que somos frágeis e nos equivocamos, preferimos nos esconder sob a máscara de uma perfeição da qual ainda estamos distantes.
Por não admitir as nossas próprias fraquezas, também não as admitimos nos outros, e agimos com um rigor desmedido, infelicitando-nos e infelicitando os que conosco convivem.
Mais sensato seria reconhecer que somos aprendizes da vida, e que todo aprendiz tem o direito de errar, mas tem também o dever de corrigir o passo e seguir em frente. Como aprendizes da vida, não estamos isentos do erro, da queda, das fragilidades que caracterizam a nossa condição de alunos imperfeitos.
Assim sendo, vale a pena agir como quem deseja crescer, aprender, ser feliz. E para isso é preciso saber pedir perdão, saber perdoar, saber tolerar...
Só não admite erros a pessoa que se julga infalível, perfeita, acima do bem e do mal. E essa, certamente é uma pessoa infeliz.
Se quisermos aprender a ser mais leves e menos presunçosos, observemos as crianças. Elas não têm vergonha de pedir desculpas, não guardam mágoa nem rancor.
Quando se machucam, elas choram... Pedem socorro, reconhecem sua fragilidade...
Se não conseguem alcançar algo, pedem ajuda. Para entender as coisas, perguntam várias vezes.
Quando sentem medo, admitem. Pulam no colo mais próximo ou se enroscam no pescoço do amigo ou irmão mais velho.
Isso se chama humildade, isso se chama pureza. Isso se chama sabedoria.
É por isso que as crianças aprendem. Elas não têm vergonha de ser aprendizes da vida.

Tem um tempinho?

Estamos precisando de vocês.
É que na semana que vem, o STF vai julgar a lei que autoriza a realização no país de pesquisa com células-tronco embrionárias. A avançada lei foi aprovada pelo Congresso Nacional por placar estrondoso: 96% dos senadores e 85% dos deputados federais deram-lhe a vitória. O presidente Luís Inácio Lula da Silva fez o mesmo. Rapidamente a sancionou. Só que ela parou no STF porque o subprocurador-geral da República, Cláudio Fonteles, alegou que é inconstitucional (veja cópia da PETIÇÃO em artigo abaixo).
Então, se você for a favor, precisamos que assine on-line a PETIÇÃO.
COMO FAZER:
- Click no link Doença de Parkinson em SITES E BLOGS FAVORITOS. Você será redirecionado para http://maldeparkinson.blogspot.com
- Procure uma matéria publicada no dia 19/11/2007 (está em letras vermelhas), com o título “Assine a petição citada abaixo aqui => PETIÇÃO”;
- Click em PETIÇÃO (está em letras azuis);
- Click em sign the petition;
- Preencha seus dados: Nome completo, e-mail e profissão;
- Click em preview your signature;
- Click em approve signature;

Qual é o número de sua PETIÇÃO?
Existe estimativa no Brasil de 220.000 (duzentos e vinte mil) parkinsonianos. É um absurdo a falta de informação. Vamos nos unir e fazer valer nossos direitos.
Qualquer pessoa maior de idade pode assinar a PETIÇÃO.
Obrigado, meu amigos.

Cópia da PETIÇÃO enviada ao STF

Para: Ao Supremo Tribunal Federal (STF)

Direito à esperança de cura e vida, sim.
Ao obscurantismo, não.

Brasília, 20 de abril de 2007.

Definitivamente, um marco na história do Supremo Tribunal Federal (STF). Em 178 anos de existência, a mais alta corte do Brasil realizou, pela primeira vez, uma audiência pública.
Objetivo: ouvir cientistas sobre a lei que autoriza a realização no país de pesquisa com células-tronco embrionárias.
Pudera. É a aposta de investigadores do mundo inteiro para a cura de várias doenças ainda incuráveis, como mal de Parkinson, diabetes, doenças neuromusculares e secção da medula espinhal por acidentes e armas de fogo.
A avançada lei foi aprovada pelo Congresso Nacional por placar estrondoso: 96% dos senadores e 85% dos deputados federais deram-lhe a vitória. O presidente Luís Inácio Lula da Silva fez o mesmo. Rapidamente a sancionou. Só que ela parou no STF porque o subprocurador-geral da República, Cláudio Fonteles, alegou que é inconstitucional. Questionado sobre se sua ação não teria motivação religiosa, o franciscano Fonteles acusou a geneticista, professora e cientista Mayana Zatz de viés judaico. Fonteles disse ao jornal Folha de S. Paulo: “A doutora Mayana Zatz, que é o principal elemento de quem pensa diferentemente da gente, tem também uma ótica religiosa, na medida em que ela é judia e não nega o fato. Na religião judaica, a vida começa com o nascimento do ser vivo. Então, ao defender a posição dela, ela defende a posição religiosa dela, que é judia e que a gente tem de respeitar”.
Acontece que:
1º) A posição de Mayana Zatz em defesa da pesquisa com células-tronco embrionárias não é pessoal e muito menos religiosa. A geneticista participou da audiência pública no STF como porta-voz da Academia Brasileira de Ciências, da qual é membro. Sua postura é a mesma defendida pelas academias de ciências de outros 65 países.
2º) Há 30 anos Mayana trabalha com doenças neuromusculares letais ou altamente incapacitantes. Já viu milhares de crianças, jovens e adultos afetados morrerem sem qualquer chance de cura. Tanto que, para melhorar-lhes a qualidade de vida, fundou a Associação Brasileira de Distrofia Muscular (Abdim), da qual é presidente. Mayana é professora titular de Genética, diretora do Centro de Estudos do Genoma Humano e pró-reitora de pesquisas da USP. Publicou 280 trabalhos científicos já citados mais de 4.500 vezes.
3º) Agora, pela primeira vez, vislumbra, num futuro próximo, uma possibilidade real de tratamento para várias doenças neurodegenerativas. Sua esperança está justamente nas células-tronco embrionárias. Somente elas têm a capacidade de se diferenciar nos mais de 216 tipos de tecido do corpo humano.
4º) Mayana, como outros cientistas brasileiros, trabalha há alguns anos com células-tronco adultas. Os resultados preliminares de suas investigações – bem como os de outros presentes na audiência do STF e diretamente envolvidos com tentativas terapêuticas para diferentes condições (problemas cardíacos, diabetes, derrame, mal de Chagas, esclerose lateral amiotrófica e paraplegia decorrente da secção da medula) – mostram, no entanto, que a pesquisa com células-tronco embrionárias é fundamental. São elas que ensinarão os cientistas a programar as células-tronco adultas, de modo que se transformem nos tecidos desejados. As células-tronco embrionárias podem ser obtidas a partir de embriões de até 14 dias.
5º) A lei brasileira permite a utilização de embriões produzidos em laboratório para fins de reprodução assistida. Porém – atenção! – não abrange todos. Autoriza apenas o uso daqueles inviáveis para gestação ou congelados há mais de três anos, cuja probabilidade de gerar um ser humano é praticamente zero. A lei prevê mais: os embriões só poderão ser utilizados após autorização dos genitores. Portanto, aqueles que tiverem qualquer restrição de ordem moral ou religiosa não terão seus embriões usados para fins de pesquisa. Com o passar do tempo, os embriões deterioram-se inexoravelmente, perdendo o “prazo de validade”. Por que então não utilizá-los de forma ética e responsável em benefício do futuro e da evolução da humanidade, salvando vidas?
6º) Na prática, conseqüentemente, proibir a pesquisa com células-tronco embrionárias significará, de um lado, continuar dando aos embriões excedentes nas clínicas de fertilização um habitual e inglório destino: o lixo. De outro, tirará a esperança de cura – portanto, de vida – de milhares de pessoas. Ninguém tem esse direito.
7º) A luta pela vida está acima dos credos. Logo, não se pode misturar ciência com religião, sob o risco de se voltar ao obscurantismo da Idade Média – a idade das trevas.
8º) O Estado brasileiro é laico. Assim, a tentativa de desqualificar os argumentos científicos de Mayana com insinuações anti-semitas é lamentável. No mínimo, contraria a tradição brasileira de tolerância e respeito à diversidade religiosa.
9º) Felizmente, Mayana não está sozinha. A defesa da pesquisa com células-tronco embrionárias já permeia largos segmentos da comunidade científica e da sociedade civil brasileira. Por tudo isso, nós – de diferentes religiões, etnias, profissões, níveis socio-econômicos, idades – repudiamos a desesperada manobra para desviar o foco do debate. À Mayana, nosso apoio e solidariedade irrestritos. A sua batalha pela vida é também de todos nós.
Direito à esperança de cura e à liberdade de pesquisa, sim. Ao obscurantismo, não.

- Doutor, estou com uma amnésia terrível.
- Desde quando?
- Desde quando, o quê, doutor?


O chefe adverte o funcionário que chegou muito atrasado:
- Já não basta o fato de não estar fazendo o seu trabalho direito e agora você se dá ao luxo de chegar duas horas atrasado! No seu lugar eu nem teria vindo trabalhar!
- Isso é o que o senhor faria. Eu tenho responsabilidade!

A ONU enviou uma carta para cada país do mundo. Ela está reproduzida abaixo:
"Por favor, fale sua opinião, honestamente, sobre a fome no resto do mundo."
As Nações Unidas receberam respostas interessantes para a carta:
Da Suécia: O que é fome?
De Cuba: O que é opinião?
Da Argentina: O que é por favor?
Dos EUA: O que é o resto do mundo?
OBS: O Brasil não respondeu a carta por não saber o que significa "honestamente".

Numa aula de filosofia de uma universidade de São Paulo, o professor pergunta:
- Quem é o autor grego da frase: "Só sei que nada sei?"
Aluna:
- Professor! O Lula é grego?!

Aconteceu no Congresso Nacional...
- Sua excelência quer fazer o favor de tirar a mão do meu bolso?
- Perdão, excelência. Pensei que sua excelência estivesse distraido.

Numa reunião com o Presidente da Suíça, Lula apresenta os seus Ministros:
- Este é o Ministro da Saúde, este é o ministro da Educação, este é o ministro da Cultura, este é o Ministro da Justiça...E assim foi.
Chegou a vez do Presidente da Suíça:
- Este é o Ministro da Saúde, este é o Ministro da Fazenda, este é o Ministro da Educação, este é o Ministro da Marinha...Nessa altura, Lula começa a rir:
- Desculpe, Senhor Presidente, mas para que o senhor tem um Ministro da Marinha, se o seu país não tem mar?
O Presidente da Suíça então responde:
- Quando você apresentou os Ministros da Justiça, da Educação e da Saúde, eu não ri...

BEIJA FLOR


OITENTA VEZES POR SEGUNDO
BATE AS ASAS UM BEIJA-FLOR
ASSIM SE CONSEGUE SUSPENSO
QUASE PARALIZADO NO AR
TREMENDO DIANTE DA FLOR.

QUEM ME DERA, QUEM ME DERA,
QUE O QUE ACONTECE COMIGO
VIESSE DA NATUREZA TÃO BELA!

ÀS VEZES, NO CORPO SINTO UM TREMOR
E, IGUAL ÀQUELA AVE COLORIDA,
TAMBÉM FICO QUIETA,
PARALIZADA
TREMENDO...
QUEM ME DERA SUGANDO O NÉCTAR,
DIANTE DA FLOR DA VIDA.

EU SOU PARKINSONIANA
MAS NÃO ME DOU POR VENCIDA
SONHO QUE DEUS ME FEZ BEIJA-FLOR
E ME DISFARÇOU DE DIVA.

QUEM ME DERA, QUEM ME DERA!

POESIA DE AUTORIA DE DIVA DA PENHA RANGEL DE ANDRADE, DO GRUPÁDUA-RJ (GRUPO DE APOIO AOS PORTADORES DE PARKINSON DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA-RJ)


CARGA INÚTIL

Certo dia, um professor atento ao comportamento dos seus alunos, observou que poderia ajudá-los a resolver alguns problemas de cunho íntimo e propôs uma atividade.
Pediu a todos que levassem uma sacola e algumas pedras, de vários tamanhos e formas para a próxima aula.
No dia seguinte, orientou que cada um escolhesse uma pedra e escrevesse nela o nome de cada pessoa de quem sentiam mágoa, inveja, rancor ou ciúme. A pedra deveria ser escolhida conforme o tamanho do sentimento.
Depois que todos haviam terminado a tarefa, o professor pediu que colocassem as pedras na sacola e a carregassem junto ao corpo para todos os lugares onde fossem, dia e noite.
Se alguma pessoa viesse a lhes causar sofrimento ainda intenso, eles poderiam substituir a pedra por uma maior. E se uma nova pessoa os magoasse, deveriam escolher uma nova pedra, escrever o nome dela e colocar na sacola. E quem resolvesse o problema com algumas das pessoas cujos nomes haviam escrito nas pedras, poderiam retirar a pedra e lançá-la fora.
Assim foi feito. Algumas sacolas ficaram cheias e pesadas, mas ninguém reclamou.
Naturalmente, com o passar dos dias, o conteúdo das sacolas aumentou em vez de diminuir.
O incômodo de carregar aquele peso se tornava cada vez mais evidente.
Com o passar dos dias os alunos começaram a mostrar descontentamento. Afinal de contas, estavam sendo privados de muitos movimentos, pois as pedras pesavam e alguns ferimentos surgiram, provocados pelas saliências de algumas pedras.
Para não esquecer a sacola em nenhum lugar, os alunos deixavam de prestar atenção em outras coisas que eram importantes para eles.
Passado algum tempo, os alunos pediram uma reunião com o professor e falaram que não dava mais para continuar a experiência, pois estavam cansados de carregar aquele peso morto e alguns ferimentos incomodavam.
O professor, que já aguardava pelo momento, falou-lhes com sabedoria: essa experiência foi criada para lhes mostrar o tamanho do peso espiritual que a mágoa, a inveja, o rancor ou o ciúme, ocasionam. Quem mantém esses sentimentos no coração, perde precioso tempo na vida, deixa de prestar atenção em fatos importantes, além de provocar enfermidades como conseqüência.
Esse é o preço que se paga todos os dias para manter a dor e os sentimentos negativos que desejamos guardar conosco.
Agora a escolha é sua. Vocês têm duas opções: jogam fora as pedras ou continuam a mantê-las diariamente, desperdiçando forças para carregá-las.
Se vocês optarem pela paz íntima terão que se livrar desses sentimentos negativos.
Um a um, os alunos foram se desfazendo das pesadas sacolas e todos foram unânimes em admitir que estavam se sentindo mais leves, em todos os sentidos.
A proposta era de deixar com as pedras os ressentimentos que cada uma delas representava. E isso dava a cada um a sensação de alívio.
Por fim todos se abraçaram e confessaram que naquele gesto simples descobriram que não vale a pena perder tempo e saúde carregando um fardo inútil e prejudicial.

FRASE DA SEMANA

“A Terra é uma grande escola, onde o Criador nos matriculou para que aprendamos a ser feliz.”

AJUDA-TE, QUE O CÉU TE AJUDARÁ
Narra-se que um sábio caminhava com os discípulos por uma estrada tortuosa, quando encontraram um homem piedoso que, ajoelhado, rogava a Deus que o auxiliasse a tirar seu carro do atoleiro.
Todos olharam o devoto, sensibilizaram-se e prosseguiram.
Alguns quilômetros à frente, havia um outro homem, que tinha, igualmente, o carro atolado num lamaçal. Este, porém, esbravejava reclamando, mas tentava com todo empenho liberar o veículo.
Comovido, o sábio propôs aos discípulos ajudá-lo.
Reuniram todas as forças e conseguiram retirar o transporte do atoleiro. Após os agradecimentos o viajante se foi feliz.
Os aprendizes surpresos, indagaram ao mestre: senhor, o primeiro homem orava, era piedoso e não o ajudamos. Este, que era rebelde e até praguejava, recebeu nosso apoio. Por que?
Sem perturbar-se, o nobre professor respondeu: aquele que orava, aguardava que Deus viesse fazer a tarefa que a ele competia. O outro, embora desesperado por ignorância, empenhava-se, merecendo auxílio.

Muito de nós costumamos agir como o primeiro viajante. Diante das dificuldades que nos parecem insolúveis, acomodamo-nos, esperando que Deus faça a parte que nos cabe para a solução do problema.
Nós podemos e devemos empregar esforços para melhorar a situação em que nos encontramos.
Há pessoas que desejam ver os obstáculos retirados do caminho por mãos invisíveis, esquecidas de que esses obstáculos, em sua maioria, foram ali colocados por nós mesmos, cabendo-nos agora, a responsabilidades de retirá-los.
Alguns se deixam cair no amolentamento, alegando que a situação está difícil e que não adianta lutar.
Outros não dispõem de perseverança, abandonando a luta após ligeiros esforços.
Com propriedade afirma a sabedoria popular que "pedra que rola não cria limo", sugerindo alteração de rota, movimento, dinamismo, realização.
Não basta pedir ajuda a Deus, é preciso buscar. Devemos, portanto, fazer a nossa parte que Deus nos ajudará no que não estiver ao nosso alcance resolver.
Pense nisso!
Seria ideal que, sem reclamar e pensando corretamente, fizéssemos esforços para retirar do atoleiro o carro da nossa existência, a fim de seguirmos adiante felizes, com coragem e disposição. Confiantes de que Deus sustentará as nossas forças para que possamos triunfar.
Pensemos nisso!

VIDA...

Dizem que a vida é curta, mas não é verdade. A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades. E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança tranquila brincando de esconde-esconde. Infelizmente as vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando os "não": a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos. Ah! os olhos que não olhamos, as mãos que não sentimos. O "eu te amo" que não dissemos e que tanta falta fez a quem deixou de ouvir.
A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador, quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria. E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos.
Pense nisso como um tributo ao tempo. Tanto aquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto aquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro.
Porque a vida é agora.

POR QUE NÃO ?

NESTA VIDA TUDO PODE NOS ACONTECER
MESMO SENDO PESSOAS SAUDÁVEIS INESPERADAMENTE,
PARKINSONIANOS PODEMOS VIR A SER.

ISSO ACONTECEU COMIGO
A VIDA ME FEZ PASSAR A SER
TUDO AO CONTRÁRIO DAQUILO DO QUE SONHEI SER.

SIM, SOU PARKINSONIANA
NÃO TENHO ORGULHO DE SER
ACONTECEU, QUE POSSO FAZER?

NADA? ISSO NÃO! CLARO QUE NÃO!
POSSO AMAR, SORRIR, CANTAR, SONHAR,
CHORAR QUANDO FOR PRECISO,
ME APOIAR NO OMBRO DE UM AMIGO,
DE UM FILHO OU DO MARIDO.

A VIDA CONTINUA
QUERO VIVER E NÃO QUERO SENTIR A ALMA NUA.
TER PARKINSON NÃO ME TIRA O DIREITO DE VIVER.

ÀS VEZES NEM ME LEMBRO QUE FIQUEI ASSIM.
É A BONDADE DE JESUS PRESENTE,
SEMPRE DENTRO DE MIM,
ME ENSINANDO A ACEITAR
TUDO O QUE NÃO POSSO MUDAR.

EM CERTOS MOMENTOS, REZANDO,
ME OLHO E FICO PENSANDO.

MINHAS MÃOS TREMEM...
MAS OS PÁSSAROS NÃO DEIXAM DE CANTAR.
AGORA MINHAS MÃOS TREMEM,
MAS NEM POR ISSO O SOL DEIXOU DE BRILHAR
E MINHAS MÃOS TREMEM...

MAS, OLHA SÓ, TEM UM TEMPO,
ME DIZ O CORAÇÃO,
QUE ATÉ AS FOLHAS SE PÕEM A BALANÇAR
E NEM POR ISSO, ELAS TOMBAM AO CHÃO.

SIM EU SOU PARKINSONIANA!
POR QUE, NÃO?

DE AUTORIA DE DIVA DA PENHA RANGEL DE ANDRADE, DO GRUPÁDUA-RJ ( GRUPO DE APOIO AOS PORTADORES DE PARKINSON DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA-RJ )


FRASE DA SEMANA

“Quando encontrares uma pedra em seu caminho, não chute, faça dela um degrau e suba na vida!”

PRESTE BEM ATENÇÃO...
Sua vida é única e você é único.
Sua vida merece que, a cada dia, você dê uma chance para que ela seja plena e feliz.
Um dia você vai ver que não valeu a pena tanta correria, para ganhar dinheiro e não usufruir.
Vai ver que o tempo passou e o cansaço tomou conta do seu corpo.
Vai ver que mesmo rodeado de muita gente, você se sente só.
Um dia você vai recolher-se no quarto e vai ter vontade de abraçar o travesseiro, porque não sobrou ninguém pra abraçar.
Vai ver que foi entrando numa roda viva que você viu que não é mais dono do tempo que dizem que é seu e que não pode cedê-lo a qualquer um.
Vai ver que o carro já está se tornando um problema, e não um conforto, o telefone é chato, a gravata incomoda....
E... por mais que tente se livrar de tudo, é um escravo invejado por muitos.
Vai ver que não valeu a pena os anos sem férias, sem descanso.
Vai ver que não tem mais ilusões, e a esperança anda com vontade de dormir.
Um dia você vai ver que passou pela vida sem viver.
Frequentou o mundo sem saber porque...
Rodou, rodou, rodou, e não saiu do lugar, pensou que foi, mas ficou.
Teve tudo e não sentiu nada.
Um dia você verá que o tempo escoa tão rápido como a areia fina pelos seus dedos.
Vai ver que resta parar e gritar de cima de um edifício: "Chega"!!!
Vai ver que é hora de sorrir, de amar, de ser da família, de misturar-se com as crianças e dar a mão ao próximo...
De Viver!
"Na incerteza do amanhã aproveite o hoje para ser feliz."

SAIBA SE VOCÊ ESTÁ DEPRIMIDO

Quem está sofrendo de depressão não pode simplesmente recompor-se e melhorar sozinho. Os sintomas, sem tratamento, podem se prolongar por semanas, meses e até anos.
O sofrimento da pessoa e até das pessoas próximas pode ser evitado, pois na medida que for tratado, muitos sintomas nem se manifestarão.
Certas pessoas podem ter um único episódio de depressão durante a vida, e outras tem várias recaídas. Alguns começam de repente, outros podem se estabelecer lentamente, sem causa aparente nos diversos momentos da vida.
Como outras doenças, a depressão tem certos sintomas. Uma vez que esses sintomas são reconhecidos, pode-se tomar providências para o tratamento.
Faça o seguinte teste para saber se você (ou alguém de sua família ou um amigo) pode estar deprimido.
Durante a maior parte das duas últimas semanas você:
-Sentiu-se triste, preocupado ou aborrecido ?
-Sentiu que sua vida era monótona, sem possibilidades de melhorar?
-Tem tido crises de choro?
-Ficou irritado com coisas pequenas que antes não o perturbavam?
-Não se diverte mais com seus passatempos ou atividades que antes o alegravam?
-Sentiu falta de autoconfiança ou sentiu-se fracassado?
-Tem dificuldade para dormir, ou tem dormido muito?
-Tem dificuldade de concentração ou de tomar decisões?
-Tem menos interesse em sexo do que antes?
-Tem pensado em morte e/ou suicídio?
NOTA: por favor, entre em contato com seu médico, IMEDIATAMENTE, caso tenha respondido afirmativamente à última pergunta.
Se tiver respondido "sim" a algumas dessas perguntas, você possivelmente está com depressão. O primeiro passo no tratamento desses sintomas é conhecer a causa.

ACREDITAR E AGIR
Um viajante caminhava pelas margens de um grande lago de águas cristalinas e imaginava uma forma de chegar até o outro lado, onde era seu destino. Suspirou profundamente enquanto tentava fixar o olhar no horizonte. A voz de um homem de cabelos brancos quebrou o silêncio momentâneo, oferecendo-se para transportá-lo. Era um barqueiro.
O pequeno barco envelhecido, no qual a travessia seria realizada, era provido de dois remos de madeira de carvalho. O viajante olhou detidamente e percebeu o que pareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés empoeirados dentro do barco, observou que eram mesmo duas palavras. Num dos remos estava entalhada a palavra acreditar e no outro agir. Não podendo conter a curiosidade, perguntou a razão daqueles nomes originais dados aos remos.
O barqueiro pegou o remo, no qual estava escrito ACREDITAR, e remou com toda força. O barco, então, começou a dar voltas sem sair do lugar em que estava. Em seguida, pegou o remo em que estava escrito AGIR e remou com todo vigor. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir adiante.
Finalmente, o velho barqueiro, segurando os dois remos, movimentou-os ao mesmo tempo e o barco, impulsionado por ambos os lados, navegou através das águas do lago, chegando calmamente à outra margem.
Então o barqueiro disse ao viajante:
- Este barco pode ser chamado de AUTOCONFIANÇA. E a margem é a META que desejamos atingir.
- Para que o barco da AUTOCONFIANÇA navegue seguro e alcance a META pretendida, é preciso que utilizemos os dois remos ao mesmo tempo e com a mesma intensidade: AGIR e ACREDITAR.
Não basta apenas ACREDITAR, senão o barco ficará rodando em círculos, é preciso também AGIR para movimentá-lo na direção que nos levará a alcançar a nossa META.
AGIR e ACREDITAR. Impulsionar os remos com força e com vontade, superando as ondas e os vendavais e não esquecer que, por vezes, é preciso remar contra a maré.
Gandhi tinha uma meta: libertar seu povo do domínio inglês. Tinha também uma estratégia: a não violência. Sua AUTOCONFIANÇA foi tanta que atingiu a sua META sem derramamento de sangue. Ele não só acreditou que era possível, mas também agiu com segurança.
Madre Teresa também tinha uma META: socorrer os pobres abandonados de Calcutá. Acreditou, agiu, e superou a META inicial, socorrendo pobres do mundo inteiro.
Albert Schweitzer traçou sua META e chegou lá. Deixou o conforto da cidade grande e se embrenhou na selva da África francesa para atender os nativos, no mais completo anonimato.
Como estes, teríamos outros tantos exemplos de homens e mulheres que não só acreditaram, mas que tornaram realidade seus planos de felicidade e redenção particular.
E você? Está remando com firmeza para atingir a META a que se propôs?
Se o barco da sua AUTOCONFIANÇA está parado no meio do caminho ou andando em círculos, é hora de tomar uma decisão e impulsioná-lo com força e com vontade. Lembre que só você poderá acioná-lo utilizando-se dos dois remos: AGIR E ACREDITAR. Pense nisso!
Caso você ainda não tenha uma META traçada ou deseje refazer a sua, considere alguns pontos:
- Verifique se os caminhos que irá percorrer não estarão invadindo a propriedade de terceiros;
- Se as águas que deseja navegar estão protegidas dos calhaus da inveja, do orgulho, do ódio;
- E, antes de movimentar o barco, verifique se os remos não estão corroídos pelo ácido do egoísmo.
Depois de tomar todas essas precauções, siga em frente e boa viagem.

COMEÇAR DE NOVO...

É impressionante como algumas pessoas sabem agir com inteligência e bom senso diante das situações adversas que a vida lhes apresenta.
Há algum tempo, um ator famoso sofreu um assalto e foi ferido gravemente, ficando em coma por muito tempo. Os dias se passaram, os meses se somaram e, apesar das limitações impostas ao corpo físico, continuou lutando com bravura.
Gerson Brenner não se deixou vencer pela soma de acontecimentos amargos e começou a grande luta para dar a volta por cima e continuar vivendo, ainda que com graves limitações nos movimentos do corpo.
Um narrador de futebol, não menos famoso, sofreu um acidente de automóvel e ficou por longo tempo sem contato com o mundo exterior.
Apesar das barreiras imensas que tentavam isolá-lo do mundo, Osmar Santos empreendeu uma batalha acirrada e, depois de longo tempo, conseguiu se comunicar com o mundo através da arte, pintando quadros. Ele conseguiu dar a volta por cima e reinventar sua vida.
Um dia, um acidente de ultraleve matou a esposa de um cantor popular e o jogou num leito de hospital com graves ferimentos na medula e no cérebro.
Poucos acreditavam que ele sairia dessa. Mas Herbert Viana deu a volta por cima, demonstrando rara coragem e uma disposição inabalável. Surpreendendo médicos e enfermeiros, ele aparece cantando e dedilhando sua guitarra para alegrar a enfermaria repleta de pacientes que, como ele, enfrentam horas seguidas de fisioterapia.
Assim como essas pessoas famosas, há também muitos heróis anônimos que dão a volta por cima e vencem situações de extrema dificuldade. E, ao contrário do que muita gente pensa, essas são atitudes de pessoas que sabem usar a razão e o bom senso. Percebem que não há como vencer, senão aceitando o desafio que as leis maiores lhes oferecem, com resignação e coragem.
Esses são os verdadeiros vencedores, pois transformam uma situação aparentemente sem saída, numa nova maneira de encarar a vida. É como se admitissem a si mesmas: se Deus me ofereceu esta situação difícil é porque preciso aprender alguma lição com ela. E é isso que vou fazer. Nesse caso, é a obediência consentida pela razão, e a resignação aceita pelo coração.
Essa é a posição de um filho que confia no seu Pai e dele sempre espera o melhor, ainda que esse melhor chegue com aparência de desgraça. E um filho que confia num Pai amoroso e justo, procura retirar de cada situação uma lição a mais, um aprendizado útil, mesmo que seja uma demonstração de coragem, de fé, de humildade, de confiança.
E você? Já pensou nas lições que Deus espera que aprenda com as situações que lhe apresenta? Se ainda não havia pensado, pense agora, ainda há tempo. Considere que as provas sempre guardam relação com o tipo de aprendizagem que precisamos demonstrar, e são proporcionais ao nosso grau de evolução.
Assim, se é a nossa paciência que deve ser testada, teremos uma prova correspondente. Se é a humildade, receberemos uma prova em que possamos demonstrá-la, e assim por diante.

TOCANDO EM FRENTE...

Ando devagar
Porque já tive pressa
Levo esse sorriso
Porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte
Mais feliz quem sabe
Só levo a certeza
De que muito pouco eu sei
Eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
Ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada
Eu vou
Estrada eu sou
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora um dia
A gente chega
E o outro vai embora
Cada um de nós
Compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom se ser capaz
De ser feliz

Almir Sater

ACREDITE ! ...ou seja surdo !
Era uma vez uma corrida de sapinhos !
O objetivo era atingir o alto de uma grande torre.
Havia no local uma multidão assistindo. Muita gente para vibrar e torcer por eles.
Começou a competição...
Mas como a multidão não acreditava que os sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre, o que mais se ouvia era: "Que pena !!! esses sapinhos não vão conseguir, não vão conseguir..."
E os sapinhos começaram a desistir. Mas havia um que persistia e continuava a subida em busca do topo...
A multidão continuava gritando : "... que pena !!! vocês não vão conseguir !... ...não vão conseguir!..."
E os sapinhos estavam mesmo desistindo, um por um, menos aquele sapinho que continuava tranqüilo, embora cada vez mais arfante.
Já ao final da competição, todos desistiram, menos ele. A curiosidade tomou conta de todos. Queriam saber o que tinha acontecido.
E assim, quando foram perguntar ao sapinho como ele havia conseguido concluir a prova, aí sim conseguiram descobrir, que ele era surdo !
Não permita que pessoas com o péssimo hábito de serem negativas, derrubem as melhores e mais sábias esperanças de seu coração !
Lembre-se sempre : “Há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos”. Portanto, procure sempre ser POSITIVO!
Seja "surdo" quando alguém lhe diz que você não pode realizar seus sonhos...
ACREDITE ! ...em VOCÊ !

Só existem 2 dias no mundo em que nada pode ser feito:
Um se chama ONTEM e o outro, AMANHÃ.
Portanto HOJE é o dia certo para amar, acreditar, fazer, e principalmente, VIVER.

TEM DIAS...

Quando se está de bem consigo mesmo, tudo sai a contento, os novos projetos fluem, os negócios vão de vento em popa, tudo que a em volta é só maravilha, até o vizinho chato passa a ser meigo, a sogra vira um doce, os amigos rodeiam...puxam o saco. Mas quando estamos de mal conosco, as coisas começam a se enrolar, os problemas se acumulam, as dividas aumentam da noite para o dia, aquele relacionamento de anos esfria e a vida se torna vazia, como se tivessem jogado um balde de água fria, o sol se vai e o dia fica cinza.
Por isso, preste atenção: Calma!..Relaxe e irá encontrar luz na escuridão, só tome cuidado com os milagreiros de plantão, loucos pra tirar o último tostão, nessa hora o que não falta é espertalhão. Na realidade o que você precisa é tomar uma decisão...encontrar uma força extra pra impulsionar o coração e decidir com exatidão, o que é melhor pra você! Ouviu bem, você! Você é a coisa mais importante, o resto não passa de personagens passantes e nada importantes. Por isso, calma, muita calma nessa hora, solucione os problemas por ordem de prioridade, não minta pra você, veja bem a realidade e vá a luta que a vida pede bons combates e não filosofia barata, não vai ser da porta do botequim que virá a salvação, muito menos pelas mãos de pessoas vazias e sem visão, dessas que só querem se aproveitar da fragilidade que você se encontra. Por isso, não dê mole para o azar, levante a cabeça e vá trabalhar, com trabalho honesto você só tem a ganhar, corra desses lugares que só tiram vantagem, porque foram criados para enganar.
Acredite um pouco mais em você, você é capaz, só falta correr atrás, aposte em você e creia: Você pode mudar e com sabedoria REESCREVER o livro da sua vida.

OUÇA SUA INTUIÇÃO

Sinta em seu coração, siga a essência de sua alma.
Ouça a sua intuição! Milagres acontecem todos os dias, basta acreditar!
A felicidade é um estado de espírito, não depende de outras pessoas. Deixe o sol brilhar dentro de você! Fundamental é ser sincero com o nosso eu interior.
Não renuncie à vida para agradar aos outros! Se você se violentar, no começo vem um desconforto, logo uma dor, daí a pouco, doenças. Você frente a frente com o espelho: a máscara cai, tudo fica muito claro e as coisas começam a fluir.
Estar aberto às mudanças, encarar a vida de frente, aproveitar as oportunidades que aparecem no seu caminho, você tem que está sintonizado com você, materialize sua intenções e faça acontecer. Tudo aquilo em que você joga sua energia, sua concentração, concretiza-se! As sincronicidades (nada é por acaso): encontrar as pessoas que vão fazer parte desta caminhada, no lugar certo, na hora exata e no momento apropriado. E seu coração fica leve e feliz! Você entra nesta vibração e o Universo conspira a seu favor. Sua vida se enche de luz, o amor incondicional invade sua alma e você percebe a beleza nas pequenas coisas.“Vegetar”, “Ir levando” para ver se melhora, “Quem sabe um dia talvez”. Esqueça tudo isto, faça acontecer! Daqui a pouco já se passaram alguns anos e nada. A juventude se foi, muita energia foi desperdiçada, gerando arrependimentos sem fim.
Não deixe os outros controlarem você: Uma pessoa especial, única, com um caminho só seu. E Você é fruto de seus pensamentos, palavras e atitudes. Você é o personagem principal da sua história, curta a vida! Não dê desculpas. Não jogue a responsabilidade de suas decisões nas costas de outra pessoa! Acredite que você pode tudo. Não existem culpas e nem cobranças. O passado são só recordações, não volta mais. Viva no momento presente. O futuro, você cria a partir do que realizar agora. Caso você não consiga tomar uma atitude e “chutar o pau da barraca”, peça ajuda ao “Todo-Poderoso nosso amigo” e fale: “Eu não estou conseguindo resolver este problema, por isso peço a sua ajuda. Confio plenamente em você”! Faça sem impor condições, sem chantagens, delegue mesmo e esqueça! Sem ansiedade, nem estresse. A solução vem espontaneamente e rápida. Sempre pense positivo, leia livros inspirados, caminhe junto à natureza (florestas, cachoeiras, mar, sol, ar puro, parques). Assista filmes com conteúdo, pratique o que você leu, ajude outras pessoas. Valorize seus amigos. Demonstre gratidão. Durma com bons pensamentos.
Sua alma vai agradecer.

GUARDIÃO

Certo dia num mosteiro, foi preciso encontrar um novo guardião para substituir o que acabara de morrer. O Mestre então convocou todos os discípulos para determinar quem seria o novo sentinela.
O Mestre, com muita tranqüilidade, falou:
- Assumirá o posto o primeiro que resolver o problema que vou apresentar.
Então, ele colocou uma mesinha magnífica no centro da enorme sala em que estavam reunidos e, sobre dela, pôs um vaso de porcelana muito raro com uma rosa amarela de extraordinária beleza a enfeitá-lo e apenas disse:
- Aqui está o problema!
Todos ficaram olhando a cena: o vaso belíssimo, de valor inestimável, com a maravilhosa flor ao centro. O que representaria?! O que fazer?! Qual o enigma?!
Nesse instante, um dos discípulos sacou a espada, olhou o Mestre e os companheiros, dirigiu-se ao centro da sala e ... ZAPT ... destruiu tudo com um só golpe.
Tão logo o discípulo retornou a seu lugar, o Mestre disse:
- Você será o novo Guardião do Castelo.
Não importa qual seja o problema. Ainda que seja algo lindíssimo. Se for um problema, precisa ser eliminado. Ainda que seja algo difícil e doloroso, precisa ser resolvido.
Muitos de nós carregamos por toda a vida, o peso de coisas que foram importantes no passado, mas que hoje somente ocupam um espaço inútil em seus corações e mentes.
"Para você beber vinho numa taça cheia de chá é necessário primeiro jogar o chá fora para, então, beber o vinho". O passado serve como lição, como experiência, como referência. Serve para ser relembrado e não revivido. Use as experiências do passado no presente, para construir o seu futuro.
Dr. Dráuzio Varella, em a "A arte de não adoecer", menciona, entre outras coisas, o seguinte:
Se não quiser adoecer: "Tome decisão". A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.
Se não quiser adoecer: "Busque soluções". Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe.
Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

NOTA SOBRE O AUTOR: EDGARD MARTINS (VÔ ED)
Parkinsoniano, paulista, , casado, aposentado, torcedor da LUSA (o maior Clube do Canindé), gosta de andar na praia nos fins de semana, gosta de ler livros, revistas e jornais.


Mãos Dadas

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considere a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

Drummond

Edgar
-agradeço o convite e a oportunidade de postar no seu Blog ..
Dalva-Campinas




COMO ACEITAR A IMPERFEIÇÃO

Como a vida humana é imperfeita. É impossível não termos frustrações. Durante nossa existência fomos, somos e seremos surpreendidos com um mundo que acontece diferente do que nós gostaríamos. A todo instante, nos deparamos com dificuldades e nos desapontamos. E, em geral, frustrações não tão pequenas. Vez por outra, nos deparamos com a perda de alguém que amamos, com o fracasso no vestibular, com alguma derrota profissional, com o desemprego, com uma traição, com alguma doença grave etc. Tudo isso nos causa irritação, tristeza e nos sentimos impotentes. É a sensação de frustração diante das perdas ou da ameaça de perder. Se olharmos para a nossa vida e das outras pessoas, veremos que o fenômeno mais constante é exatamente a perda e a frustração decorrente dela. Desde a perda do útero materno, dos seios da mãe, do conforto do lar ao ir para a escola, das decepções amorosas na adolescência, dos problemas profissionais, financeiros ou de saúde. O problema, portanto, não é a frustração. É como nos colocamos diante dela. Algumas pessoas reagem melhor que outras às frustrações da vida. Enquanto umas toleram graves situações, apesar da tristeza e partem para novas conquistas, outras, à menor dificuldade, se recolhem e ficam prostradas.
Há algumas coisas em comum para as pessoas desse segundo tipo:
Primeiro, a facilidade para levar a sério as próprias fantasias. É a luta entre a realidade e os torturadores "deverias" da nossa cabeça.
Se eu era um profissional tão bom e dedicado, não "deveria" ter sido demitido. Se eu estudei tanto, "não deveria" ter perdido o vestibular. Se eu...
Ocorre que o mundo nem sempre acontece de acordo com os nossos desejos. Por isso, podemos desejar tudo o que quisermos, mas não podemos levar tão a sério os nossos desejos. Aprender a ver e lidar com as situações reais e gastar menos energia em lamentar as coisas, enfatizando como deveriam ser.
Segundo, a sensação de injustiça que acompanha as pessoas quando se frustram. Essa sensação de injustiça é fruto de nossa vaidade, de nos levarmos a sério demais, de nos atribuirmos uma importância que, na verdade, não temos, diante da vida e do Universo. Do alto de nossa onipotência, estamos sempre achando que o mundo existe para nos satisfazer e que nunca podemos ser contrariados. A falta de limites na infância nos prepara para a dificuldade de adaptação ao imprevisto, às contrariedades, às perdas. Nos momentos de frustração, é muito comum, além da raiva, às vezes descontrolada, a pessoa se perguntar: "Por que comigo?" Se entendermos que a vida não privilegia ninguém; se contemplarmos a semelhança humana na imperfeição e nas perdas durante a vida, a verdadeira pergunta diante dos obstáculos seria mais humilde: "Por que não comigo?”.
Em terceiro lugar, o sentimento de culpa, sempre presente na frustração. O que mais dói, nesse momento, é o desconforto interno por nos sentirmos culpados pelo que ocorreu ou está ocorrendo. Ninguém tem domínio total sobre a realidade. Muitos acontecimentos que ocorrem não dependem de nossa competência ou habilidade. Aceitar a nossa impotência diante de determinados fatos é melhor que nos acusarmos por eles. A terrível frase: "Querer é poder" é responsável por grandes sensações de fracasso. Daí a outra frase comum nesses momentos: "Se eu soubesse..." Se eu soubesse com antecedência o que iria acontecer, eu seria... DEUS.
Quando não alargarmos o nosso limiar de frustração e a enfrentarmos de maneira construtiva, ela pode se transformar em depressão. Como fazer isso? Perdoar-se pela imperfeição e a do mundo. Saber que, em geral, as coisas e as pessoas são o que são e não o que "eu" gostaria que fossem. Não dramatizar excessivamente, exagerando os problemas. Tudo passa. Não apegar-se à postura de vítima, de injustiçado, de pobre coitado. Não cultivar uma visão amarga da vida, só vendo o lado negativo. Não levar nada muito a sério. Nem a vida, nem você!

FELICIDADE...

Tenho uma alma muito guerreira e nunca desisto de ser feliz. A minha alma me ensinou a não me contentar com nada menos do que a felicidade e é isso que me move a buscar. Nessa busca já mudei muito de opinião e já aprendi muita coisa, mas, quanto mais aprendo mais vejo que tenho a aprender. E o que me move é uma força que vem lá, bem do fundo da minha alma, que sabe que existe um ponto onde a felicidade se encontra escondida e que acessar esse ponto é a chave. Por momentos mágicos já acessei esse ponto bem no centro do meu Ser e quem experimenta uma vez que seja esse gosto de ser feliz, nunca mais desiste de encontrar de novo.
As experiências da vida são de uma riqueza de aprendizado infinita e podemos fazer de cada dia um presente, se olhamos com olhos de esperança e nos abrimos para as possibilidades que cada dia traz. Não existe coisa mais triste do que a gente limitar as possibilidades do dia porque pela nossa razão e pelo nosso programa da mente aquele dia não traz as configurações necessárias para que a felicidade seja encontrada.
Não perca tempo, nem o dia. Olhe cada novo dia com olhos bem abertos, para o que pode estar reservado, oculto pelos movimentos lentos e precisos dos ponteiros do relógio. Aliás, uma das coisas que mais faz com que percamos os presentes do dia é justamente o fato de nos prendermos tanto ao tempo marcado pelo relógio. Essa é uma forma que o falso tempo tem de prender a nossa mente em possibilidades limitadas que só cabem dentro desses períodos partidos do tempo. Lembre que o dia é muito mais do que marcam esses ponteiros.
Deixe livre cada dia para que coisas mágicas aconteçam em sua vida. Elas acontecem sempre que você se permite sair do seu programa dos fatos “possíveis” e deixe que o Universo traga o inusitado, o inesperado. Não se prenda às horas nem aos minutos rígidos. As coisas encantadas nunca acontecem com hora marcada. Elas têm o tempo delas que é ligado ao tempo da alma e nunca ao do relógio. Dê um espaço que seja, a cada dia, para o tempo da alma, para o que não está no programa, para o impossível. Impossível só para a nossa mente que se prende à agenda limitada que costuma criar para cada dia, como uma forma de nos manter sob controle. Para o Universo não existe limite nem o impossível e Ele pode fazer de cada dia um dia único e especial, trazendo aquilo que a sua alma anseia e que você não sabe ainda quais caminhos percorrer para encontrar, mas, Ele sabe. Deixe um espaço para o Universo agir em sua vida. Saia um pouco dos limites rígidos que os ponteiros do relógio conseguem marcar e voe por horizontes desconhecidos em busca do presente, em busca de viver momentos únicos que valem muito mais do que anos de tempo preciso marcado pelo relógio. Penetre no tempo sem tempo, onde estão todas as possibilidades.
SEJA FELIZ...

 

©2009 CONVERSA DE PARKINSONIANO | by TNB